Olhar Direto

Quarta-feira, 21 de agosto de 2019

Notícias / Cidades

Motoristas de ônibus cruzam os braços em Greve Geral contra Reforma da Previdência

Da Redação - Fabiana Mendes

11 Jun 2019 - 11:08

Foto: Rogério Florentino Pereira/OD

Motoristas de ônibus cruzam os braços em Greve Geral contra Reforma da Previdência
Cerca de um mil motoristas de ônibus de Cuiabá e Várzea Grande irão paralisar as atividades na próxima sexta-feira (14), em adesão à Greve Geral contra a Reforma da Previdência proposta pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL). A decisão foi tomada em assembleia geral realizada na última sexta-feira (7), pelo Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários da Baixada Cuiabana (SINTROBAC).

Leia mais:
Professores da Unemat aderem à greve geral contra bloqueio na Educação e Reforma da Previdência

A Greve Geral tem como motivação a luta contra a Reforma da Previdência, que na visão dos sindicalistas, traz mudanças que dificultarão ao trabalhador o acesso à aposentadoria. O movimento ampliou a pauta na busca da adesão dos estudantes já mobilizados contra os cortes de verbas na educação.  O ato também com a adesão dos professores, trabalhadores nas indústrias, servidores públicos e diversos outros ramos de atividades.  
 
A assembleia geral da categoria foi realizada no auditório da sede do Sest-Senat, em Cuiabá, e contou com a presença de lideranças dos trabalhadores das diversas empresas do transporte coletivo das duas cidades, onde debateram a organização do evento em Mato Grosso, no sentido de ampliar seu alcance.  
 
Presidente do SINTROBAC, Ledevino da Conceição, justifica o apoio e participação de sua categoria no movimento grevista. “Estamos participando da organização e buscando mobilizar o maior número possível de trabalhadores para esse dia de protesto contra a retirada de nossos direitos, principalmente contra as ameaças contidas no projeto de Reforma da Previdência, que do jeito que está irá dificultar em muito o acesso à aposentadoria, direito sagrado do trabalhador brasileiro. Por isso, no dia 14 nossa categoria irá cruzar os braços em protesto contra essa situação. O transporte coletivo vai parar na Capital e em Várzea Grande!”, avisou. 
 
Participaram da assembleia a convite da diretoria do Sintrobac os advogados Valdir Francisco de Oliveira advogado e Marisa Macedo, que abordaram aspectos da reforma da previdência defendida pelo governo.  “O estado tem a obrigação constitucional de garantir a previdência, agora querem tirar da lei essa obrigação. Ocorre, por exemplo, que os bancos privados, que serão beneficiados com a previdência privada por meio da capitalização, podem, como empresa privada, quebrar um dia e deixar trabalhadores na mão. Por isso os trabalhadores têm que ter foco, é preciso ter consciência que essa reforma é prejudicial. Por isso é importante toda ação contra ela”, alertou Valdir Oliveira.  
 
A concentração deverá acontecer na Praça Ipiranga, região central de Cuiabá, por volta das 14 horas.

40 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Nascimento
    13 Jun 2019 às 08:14

    Para se fazer uma reforma da previdência realmente, deveria unificar todos os sistemas de aposentadorias existente em um só. Mas realmente na minha humilde opinião o melhor seria a completa extinção, e que as escolas de ensino básico ensinassem educação financeira para as crianças criarem sua independência financedira.

  • Daniel
    12 Jun 2019 às 21:03

    A lei que não me favorece é injusta.

  • Nascimento
    12 Jun 2019 às 16:09

    Primeiro que a Reforma Previdenciária já está sendo modificada pelo Congresso Nacional ou seja a Reforma não será aquela. Quando tiverem as alterações feitas e forem a votação, aí sim pode ocorrer a manifestação, agora não vale nada.

  • Caro Contribuinte
    12 Jun 2019 às 15:16

    Caro Sr. ou Sra. Contribuite, vc esta correto que em alguns aspectos a reforma vai sim diminuir privilégios, inclusive sou servidor federal e não sou contra a reforma neste aspecto, mas o sr esta enganado quanto não vai atingir os pobres. Existem varios pontos da extensa lei que não é divulgado com tanto enfase quanto a questão salarial, um cidadão comentou sobre a pensão por morte, ela é um dos pontos que atingirá diretamente o pobre. Eles estão reduzindo a pensão de 100% da contribuição daria direito para 50%, ou seja aquela senhorinha que o marido trabalhou 30 anos e ela sempre foi do lar, o marido contribuía sobre um salario de 2000 reais, a coitada terá que viver praticamente um salario minimo por mês, pq so terá direito a 1.000,00 de pensão com a nova lei, para comprar seus remédios, aluguel se tiver, luz entre outras coisas. Então analise bem a lei na integra ela não diz apenas sobre o rendimento do servidor ou do politico, ela afeta e muito em varios pontos ações sociais que hoje salvam varias vidas da miséria.

  • Contribuinte
    12 Jun 2019 às 13:32

    A reforma da previdência irá acabar com os privilégios da elite do funcionalismo público. É a galera do legislativo, executivo e judiciário que se aposenta com 20, 30, 40 e acima de R$ 50 mil. Mas esse galera é esperta e espalha o boato dizendo que o pobre será prejudicado com a reforma. Tudo mentira. O que eles querem é manter seus privilégios. Infelizmente o pobre como é mal-informado acaba caindo no conto do vigário.

  • Felipe
    12 Jun 2019 às 10:24

    Isso que é falta de conhecimento, para a classe nos motoristas, nada será alterado, os maiores impactos vão ocorrer para servidores que rcebem acima do teto, que mesmo assim não deixariam de se aposentar, ou seja, caso tenha interesse em se aposentar com uma renda maior, poderá fazer um plano complementar.

  • MARIA BRAGA
    12 Jun 2019 às 10:01

    A Reforma da Previdência tem que ser feita urgentemente, mas o governo deve mexer nas aposentadorias abusivas dos políticos e não a dos trabalhadores, professores e idosos, etc. Revisar as pensões por morte. Tirar as mordomias dos políticos, são tantas coisas que ele deve mudar, mas ele só pensa em tirar dos trabalhadores os direitos tão duramente conquistados.

  • Leandro
    12 Jun 2019 às 09:36

    E só trocar os grevistas que parecem que vivem em um mundo perfeito de emprego sobrando pelos 14 milhões de desempregados que estão na luta em busca de renda para sustentar a família.

  • NÃO TENHO POLITICO DE ESTIMAÇÃO
    12 Jun 2019 às 09:06

    Votei no bolsonaro, e ainda acredito q ele até tenha boas intenções. Mas assessorado as vezes por empresários e um financeiro que visa apenas o lucro e nada do social ele erra em algumas situações. A lei da previdencia tem pontos positivos sim, mas tambem tem pontos que atacam o cidadão. Imagina vc pai de familia que sustenta sua esposa e uma filha e que falece de uma hora para outra. supondo que seu salario seja 1.900,00 reais. com a nova LEI Sua esposa que ja tem uma idade avançada tera que viver com apenas 60% no que vc ganhava ou seja 1.140,00 e não é só isso, agora a mãe não tem mais direito a 50% da pensão ela divide igualmente entre os filhos, ou seja, se ela tivesse 03 filhos iria dividir os 1.140,00 por 03 cada um iria receber R$380,00 de pensão. A nova lei praticamente acaba com a pensão do trabalhador que contribuiu a vida toda no INSS. Por isso digo não tenho politico de estimação. Se o bolsonaro erra vou cobrar se acerta vou aplaudir.

  • MARCIO B SILVA
    12 Jun 2019 às 07:14

    Não sou contra manifestos ou greves, mas desde que nao atrapalhe o proximo. Moço, vao manifestar dia de domingo que tem menos movimento. Não prejudique o proximo que precisa do transporte coletivo para ir para seu trabalho ou ir cumprir alguma de suas obrigações. Isso pra mim já ta virando baderna, isso sim!!

Sitevip Internet