Olhar Jurídico

Segunda-feira, 09 de dezembro de 2019

Notícias / Criminal

MPE classifica pedido de Roseli para afastar juíza Selma Arruda como “improcedente”

Da Redação - Lázaro Thor Borges

10 Mai 2016 - 16:00

Foto: Olhar Direto

Roseli Barbosa

Roseli Barbosa

O procurador de justiça Mauro Viveiros classificou como “improcedente” o pedido de exceção de suspeição protocolado pela defesa da ex-primeira dama, Roseli Barbosa, contra a juíza Selma Rosane Arruda da 7º Vara Criminal de Cuiabá. Na arguição, Roseli pede que a juíza seja afastada de seu julgamento por suspeitas em relação a imparcialidade e independência da magistrada.

Leia mais: 
UFMT terá que pagar 7 meses de salários a servidor que apresentou atestados, mas não recebeu

O parecer do procurador foi encaminhado no dia 29 de abril ao relator do pedido, o desembargador Rondon Bassil Dower Filho da 2º Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT).

Esta é a segunda vez que a defesa de Roseli entra com pedido de afastamento da juíza na condução da Operação Arqueiro, em que a ex-primeira dama é investigada. Em outubro do ano passado, após a delação de Paulo Lemes, um dos beneficiários do esquema, a defesa alegou que a juíza extrapolou os limites de sua função por “colher provas pessoalmente” durante o depoimento.

Ouro de Tolo

Roseli Barbosa foi presa no dia 20 de agosto durante um desdobramento da Operaçaõ Arqueiro, a Operação Ouro de Tolo. Na ocasião ela estava em São Paulo e foi trazida por policiais do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) até Cuiabá.

A ex-primeira dama estava a frente da Secretaria Estadual de Trabalho e Assistência Social (Setas) e é acusada de liderar um esquema de corrupção que lesou os cofres públicos em mais de R$ 8 milhões.

O empresário Paulo César Lemes, delator do esquema, teria forjado a criação de institutos sem fins lucrativos para firmar acordos “de fachada” com a administração pública sem necessidade de licitação. No caso, as empresas Microlins e o Instituto de Desenvolvimento Humano de Mato Grosso (IDH/MT) foram contratadas para executar programas sociais cuja qualidade é questionada pelos investigadores.

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Damião
    11 Mai 2016 às 07:33

    Está cidadã tem que pagar, tenho certeza que irá pagar na presença do SR. DEUS..

  • Amaranta
    11 Mai 2016 às 06:36

    Ai miga, c tá sem moral mesmo hein.

  • LUNETA
    11 Mai 2016 às 05:56

    ESSA FAZ PARTE DA FAMÍLIA DOS BARBOSAS . AGORA SÓ FALTA UM DOS FILHOS GANHAR NA MEGA-SENA PRÁ EMPATAR COM A OUTRA FAMÍLIA: A DOS RIVAS. SÓ GENTE BOA!

Sitevip Internet