Olhar Jurídico

Quarta-feira, 08 de abril de 2020

Notícias / Ambiental

PGE rebate acusações do MP e nega que tenha atuado por interesse privado de ministro de Temer

Da Redação - Lucas Bólico

27 Jan 2017 - 16:20

Foto: Tchélo Figueiredo/ PMC

PGE rebate acusações do MP e nega que tenha atuado por interesse privado de ministro de Temer
A Procuradoria Geral do Estado contestou o chefe do Ministério Público Estadual em exercício, procurador de Justiça Luiz Alberto Esteves Scaloppe, que acusou a PGE de ter atuado em prol dos interesses do ministro Elizeu Padilha, um dos proprietários de terra do Parque Estadual Serra Ricardo Franco.

Leia também:
Paulo Taques nega que Estado tenha atuado em favor de ministro de Temer em intervenção na Serra Ricardo Franco
MPE acusa Estado de agir em benefício de Ministro de Temer em ação sobre Serra Ricardo Franco

O procurador geral do Estado, Rogério Gallo, defendeu que a atuação da instituição em momento algum buscou prejudicar a efetiva implantação do Parque Estadual. “A PGE também não pode desconsiderar que a decisão do juízo de Vila Bela da Santíssima Trindade impunha prazos bastante curtos para providências complexas a serem tomadas pelo Estado, que envolvem, inclusive, o desembolso de recursos financeiros expressivos”, expressou o procurador geral, ao alegar que o objetivo do estado é defender o interesse público.

“Foi exatamente nesse sentido a atuação da PGE: suspender a decisão para permitir que, em diálogo com o próprio Ministério Público e sem as consequências do descumprimento de uma ordem judicial, tenha-se condição de efetivamente implantar o Parque Estadual, adotando todas as medidas prévias necessárias, que deveriam ter se iniciado desde 1997”, finalizou Gallo.

“A PGE, ao contrário do que disse o procurador Luiz Esteves Scaloppe, vem trabalhando em conjunto com o Ministério Público Estadual como co-autora de diversas ações civis públicas que buscam a reparação por danos causados ao meio ambiente, em Vila Bela da Santíssima Trindade e em especial Parque Estadual Serra Ricardo Franco”, afirmou o subprocurador geral do Meio Ambiente, Diego Dorigatti.

Confira abaixo a íntegra do posicionamento oficial da PGE:

A respeito da manifestação do chefe do Ministério Público Estadual em exercício, Procurador de Justiça Luiz Alberto Esteves Scaloppe, quanto à atuação da Procuradoria-Geral do Estado de Mato Grosso na ação judicial do Parque Estadual Serra Ricardo Franco, a PGE vem a público esclarecer:

1. Diversamente do que afirmou o representante do Ministério Público, a PGE-MT não ingressou com nenhum recurso ou qualquer outra medida judicial em favor de particulares, proprietários ou posseiros, que estejam no interior do Parque Estadual Serra Ricardo Franco;

2. Ao contrário, a medida judicial adotada pela PGE visou suspender as determinações impostas unicamente ao Estado de Mato Grosso em razão da impossibilidade de cumprir medidas complexas nos curtos prazos previstos na decisão do juízo de Vila Bela da Santíssima Trindade em ação proposta pelo Ministério Público contra o Estado, porque demandam, entre outras, levantamentos fundiários e desapropriações em valores que, atualmente, o Estado não teria como suportar para a completa implantação do referido Parque Estadual;

3. Assim, para evitar que o Estado de Mato Grosso respondesse pelo descumprimento da medida liminar com o pagamento de multa diária, a PGE ingressou com Suspensão de Liminar nº 175064/2016 ao Presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso;

4. Compreendendo as razões expostas pelo Estado, o Presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso determinou a suspensão da liminar, evitando que o Estado fosse prejudicado pelo não cumprimento de uma decisão que, nas condições impostas, se revela materialmente impossível;

5. Para o bem da verdade, é relevante esclarecer também que as duas decisões proferidas pelo Presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso no bojo da Suspensão de Liminar nº 175064/2016 não suspenderam qualquer auto de infração ou embargo lavrados contra os proprietários e posseiros que causaram danos ao Parque Estadual Serra Ricardo Franco;

6. Os proprietários e posseiros do Parque Estadual Serra Ricardo Franco foram demandados pelo Ministério Público Estadual em ações específicas e individuais, não figurando o Estado como parte, de maneira que qualquer suspensão de auto de infração ou de embargo decorre de ações ou recursos manejados pelos próprios particulares;

7. Em que pese as alegações do Procurador de Justiça, Luiz Alberto Esteves Scaloppe, a PGE não agiu contra a efetiva implantação do Parque Estadual Serra Ricardo Franco, mesmo porque possui como missão institucional a tutela do meio ambiente saudável e ecologicamente equilibrado, como prova o freqüente ingresso ao lado do Ministério Público Estadual em ações civis públicas que buscam a reparação por danos causados ao meio ambiente.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • joao do pedregal
    27 Jan 2017 às 17:53

    E triste mas e a pura verdade, justiça de Mato Grosso voltando a epoca do 44, quem tem mais, pode mais, chicote que da em chico não da em francisco e por ai vai.....

Sitevip Internet