Olhar Jurídico

Sábado, 14 de dezembro de 2019

Notícias / Criminal

Por maioria, Conselho de Justiça Militar manda soltar tenente denunciado por dois assassinatos e adulteração de armas

Da Redação - Vinicius Mendes

14 Nov 2019 - 09:00

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Por maioria, Conselho de Justiça Militar manda soltar tenente denunciado por dois assassinatos e adulteração de armas
O Conselho de Justiça Militar, da 11ª Vara Criminal Especializada da Justiça Militar, determinou a soltura do tenente da Polícia Militar Cleber de Souza Ferreira, que havia sido preso na deflagração da Operação Coverage, que investiga um esquema de adulteração de dados de uma arma utilizada em sete crimes de homicídio (quatro tentados e três consumados) praticados pelo grupo de extermínio investigado na Operação Mercenários.

Outros militares que também foram presos na operação já haviam obtido liberdade e com base nisso a defesa do tenente pediu a extensão do benefício.
 
Leia mais:
PM preso por facilitar entrada de celulares na PCE é investigado por execuções na ‘Operação Mercenários’
 
A “Operação Coverage” visou cumprir mandados por crimes de organização criminosa armada, obstrução de justiça, falsidade ideológica e inserção de dados falsos em sistema de informação. Na ocasião foram presos os tenentes Cleber de Souza Ferreira e Thiago Satiro Albino, o sargento Berison Costa e Silva e os tenentes coronéis Marcos Eduardo Ticianel Paccola e Sada Ribeiro Parreira.
 
A arma de Cleber teria sido usada em sete homicídios praticados pelo grupo de extermínio investigado na Operação Mercenários. O tenente Cleber, inclusive, responde por dois homicídios que são investigados nesta operação.

Uma audiência da Coverage foi realizada nesta quarta-feira (13) na 11ª Vara Criminal. A defesa do tenente Cleber pediu extensão do benefício já obtido pelos demais denunciados na operação. Por maioria o Conselho de Justiça Militar decidiu conceder liberdade ao tenente, mediante imposição de cautelares. O único voto contrário foi do juiz Marcos Faleiros da Silva.
 
O caso
 
O Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) deflagrou, na manhã desta quarta-feira (21), uma operação com o objetivo de cumprir quatro mandados de prisão contra oficiais da Polícia Militar, em Cuiabá.
 
As informações iniciais apontam para uma suposta venda ilegal de armas por parte dos acusados. De acordo com informações apuradas pela reportagem do Olhar Direto, são alvos o tenente-coronel Marcos Eduardo Paccola, tenente Cleber Ferreira, tenente Thiago Satiro e o tenente-coronel Sada Ribeiro Parreira. O PM Ferreira foi alvo no último dia 25 de junho de uma operação conjunta que levou à prisão envolvidos com um esquema que garantia a entrada de celulares na Penitenciária Central do Estado (PCE).
 
 

8 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • jose renato
    14 Nov 2019 às 16:53

    É um heroi.

  • Rotanzeiro de Mato grosso
    14 Nov 2019 às 14:19

    Tenente trabalhador, que Deus o abençoe que se livre dessas denúncias.. excelente pessoa, honesto.. quem fala em facção militar só pode ser bandido ou parente de bandido, haja visto que a PM trabalha muito contra esses marginais.

  • domingos santana da cruz
    14 Nov 2019 às 12:51

    ESSE MILITAR DEVERIA PERDER A PATENTE E JAMAIS SER CONSIDERADO UMSERVODOR PUBLICO.

  • domingos santana da cruz
    14 Nov 2019 às 12:51

    ESSE MILITAR DEVERIA PERDER A PATENTE E JAMAIS SER CONSIDERADO UMSERVODOR PUBLICO.

  • Ares
    14 Nov 2019 às 10:37

    Kkkkkkkkkkkkkkkkk tá certo não foi aprovado o fim da prisão em segunda instância para beneficiar o presidiário de estimação do pt porque não liberar também quem eliminou só criminosos? Quantas famílias deixaram de ser aterrorizadas humilhadas quantas crianças deixaram de ter a cabeça enfiada no vaso sanitário como já fizeram outros marginais e poderiam estes que foram a óbito talvez agiriam da mesma forma então sem mímimi sua opinião não vale nada você sabe muito bem o Brasil é o país da impunidade se ter impunidade para uns porque para outros não?

  • paulo roberto
    14 Nov 2019 às 10:36

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Paulo Hidalgo
    14 Nov 2019 às 10:32

    Um absurdo a "justiça" neste país. Sete homicídios = solto, 2 meses de pensão = preso. Está tudo errado! Tem que implodir e recomeçar esse país!

  • dauzanades
    14 Nov 2019 às 09:45

    TEM DE ACABAR COM ESSA FACÇÃO MILITAR NO PAÍS. UMA MÁFIA PARA PROTEGER OS BANDIDOS FARDADOS. ISSO QUE É A POLÍCIA NO BRASIL.

Sitevip Internet