Olhar Jurídico

Sábado, 26 de setembro de 2020

Notícias / Administrativo

Juiz afirma que superlotação em celas da PCE pode levar a morte de detentos

Da Redação - Carlos Gustavo Dorileo

02 Dez 2019 - 08:00

Foto: Assessoria

Juiz afirma que superlotação em celas da PCE pode levar a morte de detentos
O juiz da Vara de Execuções Penais de Cuiabá, Geraldo Fernandes Fidelis Neto, concluiu na última sexta-feira (29) as visitas nas unidades penitenciárias da grande Cuiabá, onde ouviu presos, agentes prisionais e os diretores dos presídios. Segundo ele, a superlotação na Penitenciária Central do Estado (PCE) pode acarretar na morte de diversos reeducandos. Existem locais com capacidade para 12 pessoas que estão com até 40 presos.

Leia também
'É um empresário bem sucedido que acredita em Várzea Grande', diz Max sobre pré-candidato à prefeitura


Nas visitas, o magistrado esteve na unidade prisional feminina Ana Maria do Couto May e às masculinas Penitenciária Central do Estado (PCE), Centro de Custódia de Cuiabá (CCC) e Centro de Ressocialização de Cuiabá (CRC), assim como na Centro de Ressocialização de Várzea Grande (CRVG).

Ele afirma que dentre todas as visitadas, o que mais chamou atenção foi o “imenso e catastrófico amontoado de gente” que está na PCE. “Lá, um cubículo que cabem 12 pessoas está abrigando até 40. É necessário que seja instalado um climatizador, e não estou falando condicionador, mas um aparelho que permita a troca de ar e condições de respirar. Eles passam 22h por dia fechados em um cubículo que não dá para dar um passo sequer, e não é figura de expressão, é literalmente o que estou falando”.

O magistrado continuou registrando que é necessário investir urgentemente nas penitenciárias do Estado.

“Caso a situação continue igual, poderá ter morte por conta do trato dado a essas pessoas. A Constituição Federal garante dignidade e respeito. Tem que pagar pena? Tem sim, de maneira severa e com disciplina, mas de maneira alguma pisando e maltratando as pessoas porque a sentença condenatória só retira o direito à liberdade, mas não retira o direito à saúde e os demais direitos que têm. Isso está bem claro na Carta Magna”.

Fidelis destacou ainda que cada uma dessas visitas deverá gerar um relatório com as informações e/ou determinações necessárias as quais serão comunicadas aos órgãos que estão envolvidos com o sistema penitenciário, como as secretarias estaduais de Educação, Saúde e Segurança Pública, a Casa Civil e Corregedoria-Geral do Estado.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet