Olhar Jurídico

Quarta-feira, 01 de abril de 2020

Notícias / Criminal

Veja vídeo em que cabo revela vazamentos seletivos e grampos no Gaeco

Da Redação - Arthur Santos da Silva

24 Fev 2020 - 10:25

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

 Veja vídeo   em que cabo revela vazamentos seletivos e grampos no Gaeco
O cabo Gerson Correa Junior revelou em audiência na Sétima Vara Criminal de Cuiabá que membros do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) cooptaram a imprensa em diversas operações.  O objetivo seria vazar trechos de investigações e provocar o que chamou de “pirotecnia”.

Leia também 
Após casos de denúncias tardias de estupro, defensora dá conselhos a vítimas para que crimes não sejam arquivados

 
As informações de Gerson foram expostas em audiência do processo nascido das Operações Arqueiro e Ouro de Tolo, que investigaram a ex-primeira dama de Mato Grosso, Roseli Barbosa, por desvios de aproximadamente R$ 8 milhões na Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social de Mato Grosso (Setas), até o ano de 2014.
 
“Quando eu cito essa manipulação seletiva, eu citei em um outro processo na Justiça Militar cujo a ação penal já foi encerrada com a sentença. Eu citei como exemplo de manipulação um fato que ocorreu na operação Ouro de Tolo. Quando eu falo manipulação seletiva de áudios na verdade é fazer o estardalhaço que o Gaeco em algumas situações, não posso negar, fez. Como ocorreu com o vazamento de conversas, oriundas da investigação, com o senhor desembargador Marcos Machado”.
 
Na ocasião da Ouro de Tolo, Machado teve conduta questionada após divulgação de uma escuta telefônica com Silval Barbosa, a respeito da soltura da ex-primeira-dama Roseli Barbosa. Os áudios obtidos junto ao Ministério Público foram expostos pela TV Centro América. A reportagem veiculou um diálogo suspeito entre as partes, gerando especulações sobre possível favorecimento. 
 
“Quando eu falo manipulação seletiva na verdade é para poder pegar um fato de uma investigação e jogar a imprensa para trazer o viés pirotécnico. Aconteceu sim na operação”, afirmou Gerson. “O objetivo na verdade era outro, de interesse pessoal de alguns membros do Ministério Público”, complementou.
 
Além da “pirotecnia”, o cabo Gerson citou interceptações na modalidade barriga de aluguel, quando uma pessoa não investigada é introduzida irregularmente em um pedido de grampo. “Quando ela [Roseli] foi alvo de investigação, tem toda uma história por trás que remete, sem nenhuma dúvida, à inserção na modalidade ilícita de barriga de aluguel. O senhor Silval e os filhos não eram alvos da operação e acabaram sendo, com anuência dos promotores do Gaeco”, finalizou.
 
Grampolândia
 
A ação penal na Justiça Militar proveniente da Grampolândia pantaneira que julgava o cabo Gerson já foi sentenciada. Apenas um dos cinco militares acusados de operacionalização de um esquema de grampos clandestinos em Mato Grosso foi condenado. O coronel Zaqueu Barbosa cumprirá pena de 8 anos.
 
Gerson Correia recebeu perdão judicial pela colaboração unilateral durante o processo.

 

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Curimbatámt
    25 Fev 2020 às 08:52

    ARROGANCIA AO EXTREMO. SERVIU MUITO A JANAINA RIVA PARA ATACAR TAQUES. . E AGORA MANO, CADÊ ELA PARA TE ALIVIAR

  • Jair
    24 Fev 2020 às 10:44

    Não é possível que neste país não exista alguém para punir esses infratores, cometedores de crimes premeditadamente . Punição exemplar já! A população não vai engolir essa omissão dos orgaos responsáveis pela apuração e providências para que mesmo MP ou delegado responda pelo crime

Sitevip Internet