Olhar Jurídico

Domingo, 24 de maio de 2020

Notícias / Eleitoral

STF nega pedido de Selma para anular rito de cassação no Senado

Da Redação - Arthur Santos da Silva

09 Mar 2020 - 16:15

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

STF nega pedido de Selma para anular rito de cassação no Senado
A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), indeferiu mandado de segurança da senadora Selma Arruda (Pode) que questionava a validade do rito para decretar sua cassação do parlamento.
 
Leia também 
Selma vê arbitrariedade e aciona STF para travar rito no Senado sobre cassação


A decisão é desta segunda-feira (9). “Ante o exposto, indefiro a inicial do presente mandado de segurança (art. 10 da Lei nº 12.016/2009), prejudicado o exame do pedido de medida liminar”.
 
O citado artigo afirma: “a inicial será desde logo indeferida, por decisão motivada, quando não for o caso de mandado de segurança ou lhe faltar algum dos requisitos legais ou quando decorrido o prazo legal para a impetração”.

A senadora acionou o colega de parlamento Davi Alcolumbre (DEM) para determinar a suspensão do seu processo de cassação. Segundo ela, o rito no parlamento não está respeitando o direito de se defender. Não houve, conforme defesa, definição prévia de como a questão seria resolvida.
 
Selma teve o mandato cassado por decisão da Justiça Eleitoral. O Tribunal observou a necessidade de remeter o procedimento para a sua efetivação perante o Senado, resguardando direto ao exercício da ampla defesa.
 
Porém, segundo Selma, o exercício da ampla defesa não encontra regulamentação no âmbito do Senado, seja no Regimento Interno, Código de Ética e Decoro Parlamentar ou Resolução.
  
A senadora é contra posicionamento de Davi Alcolumbre em decisão administrativa que negou pedido de adiamento da tramitação do rito de seu processo de cassação e nomeou um servidor da casa de leis para ser defensor dativo da parlamentar, já que ela não manifestou sua defesa dentro do limite do prazo estabelecido internamente.
 
“Há, unicamente, ato administrativo arbitrário e sem a necessária força de lei, utilizando de forma análoga e parcial um rito previsto para circunstâncias diversas, que não a de perda de mandato de Senador cujo diploma fora cassado pela Justiça Eleitoral”, argumentou a senadora.

 

5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Edson
    10 Mar 2020 às 13:59

    Essa moro de saias a lei so valia para os outros e ela achou que estava imune...hipocrisia pura.

  • Juca
    10 Mar 2020 às 09:39

    Como fazer eleição para a vaga no senado em abril, se a titular ainda não saiu, está segura pelos recursos impetrados? Será que teremos o eleito e la cassada, ambos na mesma cadeira do senado? Isso é o cúmulo da bandalheira judicial causado pelas leis mais sem lógica que só existem no Brasil.

  • Luísa Moraes
    10 Mar 2020 às 06:03

    Um dos meus prazeres é ver Selma estrebuchar.

  • Alguém
    10 Mar 2020 às 03:52

    Ela é persistente ou gostou do poder?? Perdeu em todas as instâncias e não desiste!!!

  • Maria Auxiliadora
    09 Mar 2020 às 17:54

    Esperando ansiosa pelo dia que ficaremos livres da cantilena da selma Caixa 2.

Sitevip Internet