Olhar Jurídico

Quinta-feira, 06 de agosto de 2020

Notícias / Ambiental

MPF grava vídeo apontando problemas em PL e pede desculpas por uso de imagem de ex-secretário

Da Redação - Vinicius Mendes

25 Jun 2020 - 12:00

Foto: Reprodução

O ex-secretário de Meio Ambiente de Mato Grosso, André Baby

O ex-secretário de Meio Ambiente de Mato Grosso, André Baby

Os procuradores da República Erich Masson e Ricardo Pael Ardenghi, titulares dos ofícios Ambiental e de Populações Indígenas e Comunidades Tradicionais do Ministério Público Federal (MPF), respectivamente, em Mato Grosso, fizeram um vídeo no qual explicam os graves problemas que serão causados ao meio ambiente, aos povos indígenas e à economia, caso a Assembleia Legislativa aprove o Projeto de Lei Complementar (PLC) 17/2020, que autorizaria o registro do Cadastro Ambiental Rural (CAR) de fazendas em sobreposição a terras indígenas no estado. 

O MPF ainda se desculpou pelo uso da imagem do ex-secretário de Meio Ambiente de Mato Grosso, engenheiro florestal André Baby, na primeira versão divulgada do vídeo, sem a devida autorização. 

Leia mais:
Multa de R$ 100 mil por descumprir decisão de 'lockdown' deve ser imposta a Emanuel e não contra prefeitura



Para o Ministério Público Federal, a norma irá beneficiar grilagem de terras e incentivar a invasão de territórios tradicionais indígenas, levando a mais conflitos no campo.

Na primeira quinzena de maio, o MPF, por meio do procurador da República Ricardo Pael, encaminhou ofício à Assembleia Legislativa apontando os vícios do PLC, de autoria do governo do estado, a exemplo do fato de a proposição não ter passado pela consulta prévia e livre junto aos povos indígenas. O ofício chegou a ser lido em Plenário, como solicitado pelo procurador, mas foi mantida a tramitação do PLC, que acabou por ser aprovado na primeira votação.

O procurador Erich Masson, no vídeo, ressalta que a sustentação feita pelo governo do estado de que o projeto favorecerá a fiscalização sobre ações ambientais não é verdadeira, já que o CAR é autodeclaratório e não existe comprovação prévia de propriedade, assim, qualquer pessoa pode declarar uma área no cadastro em nome de terceiros ou laranjas, não garantindo que a inscrição leve ao verdadeiro infrator. 

“Seria como se o governo autorizasse grandes plantações de maconha para uso próprio, no intuito de pegar os grandes traficantes de drogas. Quem tem intenção de infringir a legislação ambiental não vai informar os seus próprios dados ao órgão fiscalizador. O argumento de que o CAR sobre terras indígenas favorece a fiscalização ambiental, portanto, não procede”, reafirma.

Masson lembra que a aprovação do PLC 17 também afetará a economia do estado. “O projeto de lei prejudica o agronegócio e os mato-grossenses, pois as empresas não terão informação clara e precisa acerca de sobreposição de imóveis em terras indígenas, correndo o risco de perder investimentos internacionais, essenciais para o desenvolvimento do estado”, ressalta o procurador.

Já Pael lembra que a imprensa tem noticiado recentemente os casos de sobreposição de imóveis rurais no próprio sistema do Cadastro Ambiental, inclusive sobre terras indígenas, fazendo com que uma propriedade seja registrada com área maior do que a existente. “Esse registro irregular acaba por aumentar, de forma fictícia, as áreas preservadas. Dado falso que acaba vindo a ser utilizado para convencer investidores de que o detentor da área cumpre, e até mesmo supera suas metas de conservação ambiental”. 

O procurador alerta ainda que o PLC 17 afronta a Constituição Federal e a Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), violando a natureza originária dos direitos territoriais indígenas, e também incentiva a invasão sobre territórios tradicionais, criando ainda mais conflito no campo, “que como sabemos gera muita violência”.

Pedido de desculpas 

O Ministério Público Federal, por meio dos procuradores da República Erich Masson e Ricardo Pael, vem a público pedir desculpas pelo uso da imagem do ex-secretário de Meio Ambiente de Mato Grosso, engenheiro florestal André Baby, na primeira versão divulgada do vídeo, sem a devida autorização. 

Esclarece ainda que a ação movida contra o mesmo, pelo Ministério Público do Estado de Mato Grosso (MP/MT), foi arquivada a pedido do próprio MP/MT.

Segue abaixo íntegra da nota enviada por André Baby ao MPF, na qual o ex-secretário do Meio Ambiente também se posiciona contrariamente ao PLC 17/2020.

“Nota ao Ministério Público Federal - MPF - Mato Grosso

Eu, André Luís Torres Baby, engenheiro florestal, mestre em sustentabilidade, ex-secretario de Meio Ambiente de MT, venho informar que busquei contato junto ao MPF para auxiliá-lo no esclarecimento da mensagem 36/2020 que trata de alterações na política pública ambiental de Mato Grosso e especificamente sobre o Cadastro Ambiental Rural. Um dos pontos nevrálgicos da proposta, que tramita na Assembleia Legislativa, é a permissão em cadastrar imóveis rurais e licenciar atividades em áreas que podem ser destinadas como territórios indígenas. Neste contexto, fui citado de forma equivocada, contudo imediatamente ouvido e respeitado pelos procuradores federais que atuam com as questões ambientais e indígenas do nosso estado.

Considero que seja açodada a proposta de mudança legislativa pelo Executivo, em momento de poucas relações e em meio a uma pandemia, isto sendo uma opinião pessoal e técnica, uma vez que o cadastramento de imóveis rurais em áreas destinadas a estudo ou que estão em processo de demarcação, ainda que não homologadas, devam ser observadas pelo órgão licenciador como estratégia de gestão e conservação dos recursos naturais, além de, claro, atender o princípio da precaução que norteia as políticas públicas e as decisões ambientais. Há sim um limbo em segurança jurídica e que necessita ser dirimido pelos interessados.

Talvez uma discussão ampla com todos os atores, com representatividade institucional possa dirimir esses entraves e promover não só o desenvolvimento regional como também a paz que os povos indígenas precisam para terem seus direitos reconhecidos. A discussão precisa ir mais adiante, inclusive sobre a eficiência da ferramenta e o que ela poderia promover em resolutividade, entrega e valorização dos ativos ambientais de MT, isso sendo para todos, em especial o produtor rural. Sendo assim, me eximo de qualquer responsabilidade sobre o projeto de lei proposto, aguardo ansioso para resolver a minha questão jurídica e processual enquanto secretário e considero que o caminho seja a discussão ampla, com transparência, técnica e segurança jurídica, promovendo a inclusão social e a produção sustentável que o MT tanto almeja. Fico a disposição para esclarecimentos e dúvidas que por ventura forem necessárias. Grato pela atenção e oportunidade de esclarecimento, sigo a disposição”.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Fabio
    26 Jun 2020 às 10:10

    Negativo, se fosse um simples mortal que tivesse cometido o erro com certeza o MP ia cair matando em cima, tem que pagar pelo erro.

Sitevip Internet