Olhar Jurídico

Quinta-feira, 06 de agosto de 2020

Notícias / Geral

MPE notifica 12 prefeituras para que implantem quarentena coletiva obrigatória

Da Redação - Arthur Santos da Silva

07 Jul 2020 - 15:11

Foto: Rogério Florentino/ Olhar Direto

MPE notifica 12 prefeituras para que implantem quarentena coletiva obrigatória
Recomendação conjunta expedida pelo Ministério Público (MPE) notificou 12 prefeituras que integram o consórcio Complexo Nascentes do Pantanal para que imediatamente decretem quarentena coletiva obrigatória no território dos municípios, suspendam atividade de lazer e celebrações religiosas, mantenham em funcionamento apenas serviços públicos e atividades essenciais e restrinjam atividades no ramo da alimentação apenas aos serviços de delivery ou take away (com a proibição de consumo no local). A notificação foi encaminhada na segunda-feira (06) com prazo de 48h para que os executivos municipais respondam.

Leia também 
Justiça cita pandemia e nega despejo de família que mora em imóvel do frigorífico BRF


Foram notificadas as prefeituras de Araputanga, Curvelândia, Figueirópolis D'Oeste, Glória D'Oeste, Indiavaí, Lambari D'Oeste, Mirassol D'Oeste, Porto Esperidião, Reserva do Cabaçal, Rio Branco, Salto do Céu e São José dos Quatro Marcos.

O Ministério Público de Mato Grosso recomendou ainda que os municípios "adotem todas as medidas não-farmacológicas e de distanciamento social previstas na respectiva Matriz de Risco do Ministério da Saúde ou do Estado de Mato Grosso (Decreto n.º 522/2020, alterado pelo Decreto n.º 532/2020), de acordo com a situação de cada um dos municípios".

O MPE considerou o crescente número de casos confirmados e suspeitos do Novo Coronavírus nos municípios do Oeste mato-grossense, as projeções para evolução da disseminação da Covid-19 que reforçam a necessidade de medidas de supressão mais rígidas em regiões com maior velocidade no número de casos da doença, e alta taxa de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) nos municípios que concentram as unidades hospitalares de referência do Estado, tanto na rede pública, como no sistema privado de saúde.

Consideraram também que, "independentemente da recente decisão preferida pela Justiça Federal (pendente de análise de recurso) e que abrangeu os municípios dessa região, determinando-os a decretar medidas em consonância com o município de Cáceres, há a necessidade de adoção de medidas em conjunto e considerando toda a região como no nível de risco muito alto". Cáceres, que concentra as unidades de referência hospitalar na região Oeste (Hospitais São Luiz e Regional de Cáceres), decretou a medida de lockdown, em razão da apresentação de risco "muito alto" para a disseminação do Novo Coronavírus.

Assinam a notificação recomendatória os promotores de Justiça Daniel Luiz dos Santos (Jauru), Emanuel Filartiga Escalante Ribeiro (Rio Branco), Fábio Rogério de Souza Santanna Pinheiro (São José do Quatro Marcos), Mariana Batizoco Silva Alcântara (Araputanga), Natalia Guimarães Ferreira (Porto Esperidião) e Saulo Pires de Andrade Martins (Mirassol D'Oeste). 

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • o QUINTO PODER
    13 Jul 2020 às 20:47

    NESSA PANDEMIA, POLITICADA DEU UMA CLARA AMOSTRA DE COVARDIA. NAO SE ANIMAM A TOMAR AS MEDIDAS IMPOPUARES COM VISTAS EM ELEICOES, SOBROU PARA O MAIS DIFAMADO PODER RESPIRAR FUNDO, MATAR NO PEITO E POR UM BASTA. nao sou a favor do lockdown em condicoes normais, mas com mais de 80% de utis ocupadas, nao ha oitra. O unico meio de melhorar e conscientizar a populacao, dificil em um pais wue as pessoas nem sabem oque e um virus mas sabem de cor 50 musicas de sertanejo universitario.

  • Junior
    08 Jul 2020 às 08:09

    Tbm existe uma recomendação para que os MPs não tentem, temerária e forçosamente, exercer atividade de gestor público, intervindo nas administrações de modo a obrigar o gestor a tomar medidas, não respeitando a independência entre os poderes.

Sitevip Internet