Olhar Jurídico

Segunda-feira, 27 de maio de 2024

Notícias | Criminal

fraude na pandemia

Aliados de Emanuel apontam erro do MP e pedem rejeição de processo sobre esquema de vacinação; prefeito notificado

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Aliados de Emanuel apontam erro do MP e pedem rejeição de processo sobre esquema de vacinação; prefeito notificado
O prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) foi notificado na segunda feira (15) para responder ação penal sobre suposto esquema para burlar fila de vacinação da Covid-19. Três outros suspeitos no mesmo caso já apresentação alegações iniciais, sustentando pela rejeição do processo.


Leia também 
Alvo por fraude em licitação pede devolução do passaporte para visitar filhos na Itália e na França

 
Ministério Público Estadual aponta que Emanuel Pinheiro (prefeito de Cuiabá), Gilmar de Souza Cardoso (ex-secretário-adjunto de Gestão na Saúde), Antônio Monreal Neto (ex-chefe de Gabinete da Prefeitura) e Marco Polo de Freitas Pinheiro (irmão de Emanuel), “agindo em união de propósitos, se associaram, de forma estável e permanente, com o propósito uníssono de fraudar a fila de vacinação da Covid-19”.
 
Ainda segundo o MPE, os crimes ocorreram na “Secretaria Municipal de Saúde de Cuiabá/MT, utilizando-se, indevidamente, em proveito próprio e de terceiros dos serviços públicos municipais, bem como inserindo dados falsos em sistema de informações com a finalidade de obter vantagem indevida em proveito de terceiros”.

Órgão Ministerial requer, ao final do processo, fixação de valor mínimo para a reparação dos danos causados pela infração e a decretação da perda do cargo, função pública ou mandato eletivo eventualmente ocupado pelos denunciados.
 
Em resposta, Marco Polo, o Popó Pinheiro, afirmo que é necessário a intimação de todas as pessoas, para que elas juntem seus cartões de vacina, para verificar a data correta da vacinação, uma vez que as datas constantes no relatório do MPE que embasa a denúncia estão incorretas.
 
“Inicialmente, cabe destacar que a denúncia ofertada pelo Ministério Público em desfavor do acusado é incontestavelmente inepta, em razão de que o relatório 010/22 que subsidiou a denúncia em desfavor do acusado consta informações equivocadas”, diz trecho da ação.
 
Assim, defesa de Popó requer a rejeição da denúncia, ante a ausência de justa causa, ou a absolvição sumaria do acusado.
 
Gilmar Cardozo argumenta que,  muito embora a denúncia tenha afirmado que a prática delitiva tenha se dado no contexto da pandemia, ocasião em que, na versão da acusação, o acusado favorecia terceiros para que estes recebessem a vacina fora das datas designadas para os seus respectivos grupos prioritários, “a denúncia deixou um vazio tão grande quanto a sua própria pretensão punitiva”.
 
Assim, Gilmar requer que seja rejeitada a denúncia em decorrência da sua inépcia.
 
Monreal, por sua vez, argumenta que é nítido que o relatório apresentado, que subsidiou a denúncia contra o acusado, está incompleto, “não sendo meio idôneo para se basear” denúncia. Conforme trazido por esta defesa, no site Vacina Cuiabá, existe todas as informações, tal como data da efetiva vacinação, e categorias: comorbidade, gravidez, profissão etc”.
 
Monreal requer a rejeição da denúncia, ante a ausência de justa causa, ou a absolvição sumaria do acusado, “eis que o fato não constitui crime”.
 
Emanuel
 

O prefeito Emanuel Pinheiro ainda não apresentou sua reposta à acusação. Ele foi notificado em casa, na segunda-feira (15), e ainda está dentro do prazo para apresentar defesa.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet