Olhar Jurídico

Terça-feira, 28 de maio de 2024

Notícias | Criminal

OPERAÇÃO DIAPHTHORA

Delegado teria recebido caminhonete como parte de pagamento de propina por sobrinho de ex-governador

Foto: Rogério Florentino Pereira/OD

Delegado teria recebido caminhonete como parte de pagamento de propina por sobrinho de ex-governador
Investigações por parte do Núcleo de Inteligência da Corregedoria da Polícia Civil apontaram que o delegado Geordan Fontenelle, 34 anos, preso na Operação Diaphthora, deflagrada nesta quarta-feira (17), teria recebido uma Mitsubishi MMC/L200 Triton Savana do sobrinho do ex-governador Silval Barbosa (sem partido), Antônio da Cunha Barbosa Neto, como parte de pagamento de propina.


Leia também
Delegado preso tinha 'contato com a PF' para antecipar operações contra garimpeiros aliados

 
As informações constam na decisão assinada pela juíza Paula Tathiana Pinheiro, da 2ª Vara Criminal de Peixoto de Azevedo (675 km de Cuiabá). Além do delegado, foi preso o investigador Marcos Paulo Angeli.
 
O Núcleo de Inteligência da Corregedoria apontou que Antônio da Cunha esteve na Delegacia de Peixoto de Azevedo portando uma mochila preta. Entretanto, ao deixar a unidade, já não estava mais a carregando consigo.
 
A decisão apontou também que Geordan chegou à delegacia dirigindo a camionete, que, naquela ocasião ainda estava em nome de Antôniιο da Cunha.
 
“Contudo, numa atitude completamente estranha, no dia 17/10/2022, houve a comunicação de venda e, consequentemente, a transferência de propriedade desse veículo para Letícia Cristina de Souza Araújo, esposa de Geordan”, diz trecho da decisão.
 
Em outra parte do documento, os investigadores apontaram que se infere que o veículo foi transferido também como parte do pagamento de propina ao delegado. “Durante a investigação demonstrou (o delegado) ser pessoa que anseia por dinheiro ilícito e se utiliza das atribuições do seu cargo para angariar tais vantagens indevidas”, diz outra parte do documento.
 
A operação
 

Ao todo, foram cumpridas 12 ordens judiciais decretadas em investigações que apuraram um esquema criminoso praticado pelo delegado e pelo investigador.
 
Foram cumpridos dois mandados de prisão preventiva, sete de busca e apreensão e três medidas cautelares. Os servidores são investigados pelos crimes de corrupção passiva, associação criminosa, e advocacia administrativa.
 
 
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet