Olhar Jurídico

Quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020

Notícias / Política de Classe

Polícia Federal e MPF investigam ataques apócrifos a campanha de Leonardo Campos

Da Redação - Patrícia Neves

23 Nov 2015 - 07:40

Foto: Olhar Direto

Polícia Federal e MPF investigam  ataques apócrifos a campanha de Leonardo Campos
A Polícia Federal e o Ministério Público Federal (MPF) investigam a origem dos crimes apócrifos na campanha eleitoral da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional de Mato Grosso contra a candidatura de Leonardo Campos e Flávio Ferreira, candidatos a presidente e vice, respectivamente. Essa é a última semana da campanha e a eleição será realizada no próximo dia 27. 

Leia Mais:
Leonardo Campos defende que OAB-MT encabece movimentos sociais

Estimativa de que há pelo menos duas semanas Leonardo tem sido atacado através de SMS, e-mails e mensagens via aplicativo de celular ‘Whats App’, de forma anônima e apócrifa. O caso já encontra-se aos cuidados da Procuradoria Regional da República e também foi registrado perante à Superintendência regional da Polícia Federal.

“Essas ações tem o único intuito de perturbar a ordem e agredir a licitude do pleito de uma das instituições mais nobres e tradicionais da república, a Ordem dos Advogados do Brasil”, afirmou Flávio Ferreira.

De acordo com ele, os arquivos são suficientes para caracterizar a existência de prática de crimes previstos na legislação eleitoral.

Segundo Flávio, a pena para quem comete este tipo de ação pode variar de dois meses até um ano. “É evidente, portanto, a existência de materialidade, devendo-se, por imperioso, de imediato, procurar se determinar a sua autoria, para que cessem tais atos, que por certo estão a influenciar o processo eleitoral da instituição e a macular a honra e a imagem dos candidatos, dentro do pleito, agredindo a lisura da candidatura”.  

Flávio ressaltou que “na última semana, todos os candidatos fizeram campanha contra a boca de urna, em nome de uma eleição limpa no pleito da Ordem, mas pondera quanto ao emprego de práticas desse tipo na tentativa desesperada de impedir a vitória da chapa. 

6 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Dr. Ze
    23 Nov 2015 às 14:07

    Isso mesmo. A PF e o MPE nao tem nada para investigar de importancia, fica investigando casos politicos de uma determinada categoria... Vai trabalhar MPE.

  • Roberta Arruda
    23 Nov 2015 às 11:01

    Prezo pela ética, e a liberdade de escolha, temos este dever enquanto advogados. A eleição da OAB não é só importante para nós, mas para toda sociedade matogrossense, ataques pessoais maculam o próprio estatuto da Ordem que tem por princípio o zelo pelo estado de direito.

  • JOÃO DE DEUS
    23 Nov 2015 às 10:56

    Ataques? Desde quando falar a verdade é ataque? Vamos olhar para o passado e ver se os que se dizem vítima hoje não são os agressores de ontem!!!

  • Luiz
    23 Nov 2015 às 10:55

    Atos criminosos de quem será hein!! Fica a pergunta que acredito todos nos já sabemos.

  • Nivea
    23 Nov 2015 às 08:47

    Não podemos deixar que abalem a democracia. Eleição limpa e justa para a OAB. Qualquer ato que atente contra o pleito deve ser investigado. Chega de conduta petista.

  • Luciana Póvoas Lemos
    23 Nov 2015 às 08:33

    Lastimo o silêncio do Presidente Maurício Aude frente aos ataques apócrifos que marcaram estas eleições. A falta de zelo no trato da imagem da Instituição reafirma a marca de sua gestão: inoperante no fortalecimento da advocacia.

Sitevip Internet