Olhar Jurídico

Sábado, 26 de setembro de 2020

Notícias / Geral

Desembargadores determinam ilegalidade da greve dos servidores da Saúde e Meio Ambiente; multa chega a R$ 100 mil

Da Redação - Patrícia Neves

06 Jun 2016 - 21:18

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto/Reprodução

Desembargadores determinam ilegalidade da greve dos servidores da Saúde e Meio Ambiente; multa chega a R$ 100 mil
O Tribunal de Justiça de Mato Grosso declarou ilegal a greve e determinou a volta ao trabalho dos servidores das áreas de saúde e meio ambiente do Governo do Estado, que cruzaram os braços no último dia 1º de junho para exigir o pagamento de 11.28% do Reajuste Geral Anual (RGA).  Em duas ações distintas, os desembargadores Pedro Sakamoto e Serly Marcondes Alves acataram nesta segunda-feira (6) as justificativas da Procuradoria Geral do Estado e concederam liminares para que os servidores encerrem a paralisação. Caso se recusem a cumprir a determinação judicial, a multa a ser aplicada varia de R$ 5 mil a R$ 100 mil, por dia. Na última sexta-feira, 3, o Governo do Estado também conseguiu medida favorável para determinar a suspensão dos protestos dos servidores da área de Segurança Pùblica. 


Leia  Mais:
TJ determina que servidores da Segurança e do Detran encerrem greve; multa de R$ 100 mil por dia em caso de descumprimento


Segundo  o Governo do Estado, em uma das ações, que determinou o fim da greve dos servidores do Sindicato dos Trabalhadores em Entidades Públicas de Meio Ambiente do Estado de Mato Grosso (Sintema/MT), a desembargadora justificou a decisão ressaltando que, para a greve ser considerada ilegal é necessário que uma de suas reivindicações esteja contrária ao que estabelece a lei.

“Na hipótese, ao menos neste momento de cognição sumária, a ilegalidade da greve deflagrada está estampada exatamente nos termos da reivindicação. Isso porque, da simples leitura da Lei de nº 8.278/2004, observa-se que o Reajuste Geral Anual (RGA) não é automático ou obrigatório, antes depende de uma variante de condições, não manifestadas na espécie”, diz a magistrada Serly Marcondes Alves em um trecho da decisão. Ela ressaltou ainda que o pagamento do RGA está condicionado à realidade financeira do Estado. “Como notório, não apenas nosso Estado, mas toda a Federação, inclusive a União, enfrentam crise orçamentária sem precedentes”, completou a desembargadora.

Na decisão, a Justiça também aponta que o Governo de Mato Grosso jamais fechou as portas à negociação com os servidores. “Ao que tudo indica, o requerente tem se mantido aberto ao diálogo, de modo que, embora frustrados todos os encontros até então, não é possível afirmar sua renitência, não, pelo menos, ao ponto de autorizar a paralisação abrupta das atividades”.

Com base neste argumentos, a desembargadora disse observar ilegalidade na greve e dano irreparável ou de difícil reparação se a paralisação dos servidores continuar.

“Ante o exposto, concedo a antecipação dos efeitos da tutela para declarar a ilegalidade da greve, e assim, determinar a imediata retomada das atividades pelos servidores, sob pena de desconto dos dias parados, bem como, em face do Sindicato requerido, de multa diária no valor de R$ 100.000,00 (cem mil reais)”.

Segunda decisão

O desembargador Pedro Sakamoto teve entendimento semelhante na ação que o Governo do Estado moveu contra o Sindicato dos Servidores Públicos da Saúde e Meio Ambiente do Estado de Mato Grosso (Sisma/MT). Ele determinou o fim da paralisação e multa diária de R$ 5 mil ao sindicato em caso de descumprimento.

A documentação apresentada pelo Governo do Estado, disse o desembargador, demonstra a plausibilidade das alegações sobre a suposta ilegalidade da greve, pois a saúde é uma atividade essencial do Estado, cuja paralisação repercute no bem estar da população, inclusive com risco de vida àqueles que dependem do sistema público de saúde. “Parece-me ser inviável admitir a continuidade da interrupção dos serviços de saúde, os quais devem ser prestados em sua totalidade”, frisou Sakamoto na decisão.

“Por tais razões, constatando estarem preenchidos os requisitos necessários, defiro a tutela de urgência vindicada para determinar o imediato retorno da totalidade dos servidores públicos da saúde às atividades normais, de forma a garantir o essencial atendimento ao público, sob pena de multa diária de R$ 5.000,00 (cinco mil reais), valor que julgo praticável neste momento processual”, completou.

Segurança

Na sexta-feira (03.06), o desembargador Alberto Ferreira de Souza já havia deferido o pedido de liminar do Governo do Estado para que os servidores das áreas de segurança e do Departamento Estadual de Trânsito (Detran) retornassem ao trabalho, deixando o estado de greve. Em caso de descumprimento da decisão, o magistrado determinou a aplicação de multa diária de R$ 100 mil. Com a medida, os delegados da Polícia Civil retomaram às atividades. Já os escrivães e investigadores ainda irão deliberar em assembleia, medidas a serem adotadas. 

A greve

O Governo de Mato Grosso apresentou na quinta-feira (02.06) uma nova proposta de pagamento do Reajuste Anual Geral (RGA) aos servidores públicos. Considerando a crise econômica que afeta o país e o Estado, o governo propôs recomposição de 6%, sem retroatividade, em três parcelas: 2% em setembro, 2% em janeiro de 2017 e 2% em março de 2017. A proposta foi rechaçada pelo Fórum Sindical, entidade que representa 32 categorias em Mato Grosso. Em desacordo, os servidores realizam uma série de protestos pelo Centro Político Administrativo (CPA). 

Comentários no Facebook

Sitevip Internet