Olhar Jurídico

Quarta-feira, 11 de dezembro de 2019

Notícias / Política de Classe

PGJ concede 90 dias de licença-prêmio para promotora que pediu condenação de ex-governador Silval

Da Redação - Paulo Victor Fanaia Teixeira

17 Nov 2017 - 16:10

Foto: Olhar Direto

Ana Cristina Bardusco

Ana Cristina Bardusco

O Sub-Procurador Geral de Justiça Administrativo Hélio Fredolino Faust concedeu a promotora da 14ª Promotoria Criminal Especializada na Defesa da Administração Pública e Ordem Tributária Ana Cristina Bardusco 90 dias de licença-prêmio por assiduidade. A decisão foi proferida no Diário do Estado desta quinta-feira (16).

Leia mais:
Advogado diz ter “ajudado” sem coagir testemunhas em chacina; novo nome surge como mandante

Além de promotora do Ministério Público Estadual (MPE), Ana Cristina Bardusco é membro do Comitê de Recuperação de Ativos (CIRA). Foi responsável, em junho deste ano, por pedir à magistrada Selma Rosane Arruda, da Sétima Vara Criminal, a condenação do ex-governador do Estado Silval da Cunha Barbosa pelos crimes de formação de organização criminosa, concussão e lavagem de dinheiro na ação penal da “Operação Sodoma I e II”.

Nesta quinta-feira (16), a promotora foi destaque na imprensa estadual ao propor alterações no projeto de lei que prevê novo programa de incentivos fiscais em Mato Grosso, em substituição a Lei 7.958/2003, que deu origem ao Programa de Desenvolvimento Industrial e Comercial de Mato Grosso (Prodeic). As recomendações foram entregues no último dia 10 à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec).

Em sua recomendação ao Poder Público, emitiu a seguinte avaliação: “Veja que a supremacia do interesse público sobre o particular e a indisponibilidade do interesse (e recurso) públicos devem pautar todo e qualquer ato praticado no âmbito da Administração Pública (vinculado ou discricionário), atentando assim, para os princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade e eficiência (art. 37, caput, da Constituição Federal/1988)”.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet