Olhar Jurídico

Sábado, 14 de dezembro de 2019

Notícias / Política de Classe

TJ anula licitação para Fórum de VG e demite servidor responsável

Da Redação - Paulo Victor Fanaia Teixeira

28 Fev 2018 - 10:41

Foto: Rogério Florentino/OlharDireto

TJ anula licitação para Fórum de VG e demite servidor responsável
O presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) desembargador Rui Ramos Ribeiro, anulou a licitação para contratação de empresa de engenharia para a construção do novo edifício do Fórum da Comarca de Várzea Grande - Projeto Básico n. 004/2017. A decisão, do último 23, e foi publicada no DJE desta quarta-feira (28).
  
O magistrado ainda exonerou o chefe da Divisão de Serviços Administrativos do TJ, comissionado responsável pela falha que causou a nulidade da licitação.

Leia mais:
TJ nega liberdade a suspeita de assassinar marido PM

"Autorizo a repetição do procedimento licitatório, com a publicação de novo edital, com a urgência que o caso requer. Por derradeiro, tendo em vista que a falta de divulgação do resultado da fase habilitatória se deu por falha do servidor responsável pela publicação – Chefe da Divisão de Serviços Administrativos – como se depreende da informação prestada à fl. 7.513-TJMT, determino a exoneração do mesmo do cargo comissionado que ocupa e advirto os demais servidores da Coordenadoria Administrativa – coordenação, diretoria, CPL, pregoeiros e demais servidores envolvidos – que desempenhem suas funções com diligência e responsabilidade, para que fatos como estes não ocorram mais", afirmou Rui Ramos.

Conforme a decisão, o resultado corrigido da fase de habilitação das empresas, com a data prazo para oferta de propostas em 24 de janeiro, não foi publicado no Diário de Justiça (DJE) nem no Diário Oficial do Estado (DOE). Erro insanável, avaliou Ramos. “Evidente ilegalidade, viciando e invalidando todo o procedimento da licitação, por ostensivo descumprimento de normas cogentes da legislação pertinente, disciplinadora da matéria".

De modo que, “a continuidade do certame fere o princípio da publicidade dos atos administrativos e, diante disso, o cancelamento torna-se obrigatório, haja vista ser uma das funções da Administração Pública resguardar o interesse público e o erário público de despesas comprovadamente onerosas”, decidiu.

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Macedo
    01 Mar 2018 às 06:37

    Enquanto os prédios que abrigam as Comarcas do interior do estado estão deteriorados proporcionando um ambiente insalubre para servidores e para a população, os "deuses" do TJ ainda insistem na construção de palácios suntuosos e inadequados. Pura vaidade e jogo interesse político.

  • Normelio Signorelli
    28 Fev 2018 às 15:14

    Já vi diversos filmes parecidos. Aqui em MT isso é normal , o ovo chocar a galinha. Vão licitar novamente, aí sairá o vencedor concre to vai ser o máx imo.

  • Anderson
    28 Fev 2018 às 14:09

    Conversa fiada, é porque a famosa construtora de MT não ganhou a licitação, vamos apostar que na segunda vez ela vai ganhar, kkkkk!!!!

Sitevip Internet