Olhar Jurídico

Sábado, 21 de setembro de 2019

Notícias / Consumidor

Advogados afirmam que prática de Juizado Especial tem prejudicado vítimas de fraude

Da Redação - Vinicius Mendes

05 Mar 2019 - 08:19

Foto: Ilustração / Reprodução

Advogados afirmam que prática de Juizado Especial tem prejudicado vítimas de fraude
Advogados que litigam no Juizado Especial Cível (JEC) do Estado do Mato Grosso chamam atenção para alguns entendimentos judiciais que podem causar insegurança jurídica. Eles afirmam que há magistrados fundamentando sentenças baseadas exclusivamente em provas unilaterais produzidas por empresas reclamadas e, em muitos casos, condenam consumidores reclamantes, alguns deles humildes, no pagamento de multa por litigância de má-fé e honorários processuais.

O TJMT afirmou que qualquer denúncia ou queixa contra qualquer magistrado deve ser protocolada para que possa ser apurada.
 
Leia mais:
Conheça a história dos Juizados Especiais de Mato Grosso
 
O Juizado Especial Cível lida com demandas de baixa complexidade, de até 40 salários mínimos, relacionadas principalmente com relações de consumo. A pessoa que busca entrar com uma ação deste tipo tem dois caminhos: a Vara Cível ou o JEC.

Dessa forma, as demandas de menor complexidade que não ultrapassem o teto de 40 salários mínimos, em geral, são encaminhadas ao JEC, cujas vantagens são a celeridade e a ausência de custas processuais.

As relações de consumo discutidas em juízo são amparadas pela Lei nº 8.078/1990 (Código de Defesa do Consumidor), a qual prevê que consumidor e empresa não estão em pé de igualdade, já que a empresa possui maiores recursos financeiros, técnicos e estruturais. Por tais razões, a lei garante algumas prerrogativas ao consumidor, principalmente a inversão do ônus da prova.

Em casos de fraude de cadastro ou contrato, por exemplo, quando um cliente alega que não contratou os serviços de determinada empresa, esta deve apresentar em juízo, por meios legais, provas seguras da verdadeira contratação (como contrato assinado ou gravação de contratação), sob pena de ser responsabilizada por falha na prestação do serviço.
 
Em consulta a alguns advogados atuantes no JEC, Bernardo Riegel, Fernanda Darold, Stéphanie Quintanilha, Claiton Panazollo, dentre outros, eles afirmam que alguns entendimentos jurídicos adotados em JEC tem prejudicado consumidores vítimas de fraude.

Segundo eles, ao aceitar de provas unilateralmente produzidas e apresentadas pelas empresas reclamadas para comprovar a relação de consumo, os chamados "prints" de telas sistêmicas, os magistrados geram grande insegurança jurídica, tendo em vista que tais provas podem ser manipuladas por quem as produz.

Há jurisprudência de que provas baseadas exclusivamente em documentos unilaterais não são consideradas provas idôneas a fim de comprovação de determinado direito.

Segundo os advogados, este tipo de prática prejudica diretamente as vítimas de estelionatários (que utilizaram nomes de terceiros para contratar serviços), assim como estimula a manipulação de dados pelas próprias empresas.

“Se as empresas tiverem a oportunidade de provar seus direitos exclusivamente com documentos elaborados e editados em seus sistemas, todas elas terão a oportunidade de apresentar a melhor prova ‘editada’ para determinado caso concreto. E isso viola o direito do consumidor, já que a parte mais fraca da relação de consumo resta prejudicada", argumentou o advogado Bernardo Riegel.
 
Em consequência, os advogados afirmam que não raras vezes o consumidor ainda é condenado a pagar multa por litigância de má-fé e custas judiciais. Tais ocorrências se acentuaram a partir de 2017.

“Às vezes uma pessoa humilde é vítima de fraude e demanda no JEC porque não tem condições financeiras de arcar com as custas processuais da Vara Cível e com o aceite desse documento unilateral perde o seu direito, sendo condenado em multa de até 10% por litigância de má-fé e honorários de até 20% sobre o valor da causa. Imagine que em uma causa de 10 mil reais, o consumidor é penalizado em 2 mil reais só de honorários, fora a multa”, disse um dos advogados.

A advogada Stéphanie Quintanilha já atuou em vários casos julgados pelo JEC. Em um deles, a juíza, na sentença, cita que foram aceitos como provas documentos unilaterais. Segundo a advogada, foram "prints" de tela.

“A parte ré juntou no processo documentação probatória da contratação de seus serviços, demonstrando o vínculo entre as partes na relação consumerista: relatórios em nome da parte autora, relatório de utilização compatível com o perfil da autora e diversos pagamentos”, diz trecho da sentença de uma ação contra uma empresa de telefonia. A juíza não citou apresentação de contrato assinado.

A advogada Fernanda Ribeiro Darold também atuou em um caso onde foi apresentado o "print" da tela de um sistema, neste caso de um banco. Na prova apresentada, inclusive, o banco, por engano, teria colocado o nome da própria advogada como se fosse da cliente. O juiz, porém, em seu voto citou que há um contrato assinado, com uma assinatura que “assemelha-se com a assinatura da mesma [cliente]”. A causa foi vencida pelo banco.


 
Já em um caso do advogado Claiton Panazollo, o próprio juiz cita que há a jurisprudência de não aceitar a prova unilateral via "print", porém, a causa foi vencida pela empresa. O consumidor entrou com a ação contestando uma negativação indevida, afirmando que não possuía vínculos com a empresa.

O magistrado entendeu que a empresa comprovou a “validade do negócio jurídico e a obrigação de pagar”, por meio de comprovantes de pagamentos constantes no sistema da empresa.

“Em que pese a majoritária jurisprudência não aceitar a prova unilateral via ‘print’ na tela do computador, sem a assinatura do Reclamante, o fato é que, no caso em concreto, demonstrou-se que a parte Reclamante chegou a pagar algumas prestações/faturas. Se pagou, é porque mantinha e manteve a relação contratual com a Reclamada”, disse o magistrado em trecho da sentença.

O Olhar Jurídico entrou em contato com a assessoria do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, mas o órgão não quis comentar o caso, já que não há denúncia formal feita. O TJMT ainda afirmou que qualquer denúncia contra qualquer magistrado do Juizado Especial, ou de qualquer outra Vara, deve ser protocolada para que possa ser apurada.

24 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Sr Legalidade
    09 Mar 2019 às 09:47

    A Dra. Patrícia é muito correta! Eu já estagiei com ela. Lá todos do gabinete ligam para os consumidores que ela desconfia para descobrir onde mora e se contrataram o serviço o não. Muto correcta! Discobre a verdade SEMPRE a qq custo!

  • Consumidor bem informado
    08 Mar 2019 às 21:47

    Ótima matéria. Meus parabéns ao Olhar Direto por ter tido a iniciativa de mostrar as violações aos direitos dos consumidores praticadas nos juizados. Continuem assim, os consumidores agradecem.

  • Vixe
    08 Mar 2019 às 07:58

    Erasmos vc ja leu a lei 9099/95?? Da uma lida nela que as respostas pra seus questionamentos estao la!!! Boa leitura!!

  • Consumidor LESADO
    07 Mar 2019 às 10:30

    Puxaram uma luz no meu nome num endereço que eu não sei onde é num cantão da periferia de Cuiabá. A energisa disse que tem minhas informações no Sistema dela. Só isso!!!!! A juíza me condenou em 3,5mil de honorários mais multa de 10% mais pedido contraprosto 3986,75. Mas a negativação era de 56 reiais. Tô desesperada! Meu advogado disse que reclamou dela no tribunal e que tem que aguardar. Ele está tentando me ajudar não sei se vai consegui

  • Erasmo
    06 Mar 2019 às 18:47

    Achei que fosse síndrome, mas pelo que observo também estou sendo vítima, do corporativismo e sentenças tendenciosas. É a única explicação para tamanho desconhecimento da lei processual, CPC, matérias de quinto, sexto semestre de direito. Entretanto, são desconsideradas , desrespeitadas por sentenças, o que é pior por sentenças interlocutórias, as quais não cabem recursos. Pessoas sendo executadas em sede de Juizado sem direito a defesa, isto porque, a Execução nos Juizados, o executado é obrigado a garantir o juízo, isto é, depositar em juízo o valor total que estão executando, para aí por oferecer os Embargos à Execução. Agora imagine, se existe algum interesse ou corporativismo por parte do magistrado. Ah, mas você pode recorrer. Não é tão simples meu caro Watson!! O corporativismo diminui a História do nosso Egrégio Tribunal de Justiça de Mato grosso construída por grandes nomes do Poder judiciário de Mato Grosso, como: Desa. Shelma Lombardi de Kato, Des. Licínio Carpinelli Stefani entre tantos que fizeram e fazem a justiça Hércules do nosso Estado.

  • AVANÇA MT
    06 Mar 2019 às 18:38

    TEM QUE ANALISAR PORQUE TEM MUITA GENTE QUE GOSTA DE COMPRAR NO COMERCIO, DEPOIS ARRANCA O CHIPO JOGA FORA E SOME , MAS AS OPERADORES TAMBÉM ABUSAM ,MUITAS VEZES NÃO MANDAM CONTRATO COM AS REGRAS E DAÍ VEM A SURPRESAS

  • Filinto
    06 Mar 2019 às 17:19

    Enquanto os juízes dos juizados aceitarem provas unilaterais, as empresas continuarão “confeccionando” documentos para utilizar nos processos sem se preocuparem com a melhora na prestação dos seus serviços. A vida desses magistrados se resume em condenar em litigância o consumidor que se atrever a demandar o juizado. Isso quando não condenam até o advogado...

  • Poconeano Jr
    06 Mar 2019 às 17:06

    OAB defenda o direito dos consumidores! Defenda tb a correta aplicação da lei dos juizados!

  • Que TRISTE
    06 Mar 2019 às 16:27

    Nossa, quanda revolta destes advogados. Procurando pelos seus nomes no juizado, dois deles nem possuem tanta demanda, ou seja, trabalha para algum demandista ou este tal advogado captador, é isto que rotulam né? Advogados, que nem sabem quem são os clientes, clientes que nem sabem o que estão fazendo na sala de audiência. Já são milhares neste tipo em MT. Uma vergonha. Advogado fala nos autos, isto que estou aprendendo na faculdade. Agora, procurar cliente em anúncio, ou pagar motoqueiros para ficar nas cidades pegando assinaturas pode? É isto que li neste mesmo jornal se não falhe minha memória. OAB e a POLICIA, existe uma denúncia forte aqui do ALGUEM. Vamos averiguar!!!!!!!!!!!!!!!!111

  • Sr Okada
    06 Mar 2019 às 15:08

    Eu já fui vítima dessa pessoa. Parece que quer ameaçar os consumidores que buscam o juizado de pequenas causas.

Sitevip Internet