Olhar Jurídico

Terça-feira, 02 de junho de 2020

Notícias / Geral

Por causa de coronavírus ministro suspende pagamento de dívida de R$ 2 bi de MT com a União

Da Redação - Vinicius Mendes

07 Abr 2020 - 08:38

Foto: Reprodução

Por causa de coronavírus ministro suspende pagamento de dívida de R$ 2 bi de MT com a União
O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), julgou procedente um pedido do Governo de Mato Grosso e suspendeu por 180 dias a obrigação de pagamento das parcelas da dívida de R$ 2.116.412.756,99 do Estado de Mato Grosso com a União, em decorrência da urgência em destinação de recursos para o combate ao coronavírus. O Estado deve comprovar que os valores estão sendo integralmente aplicados na Secretaria de Estado de Saúde (SES) para este propósito.

Leia mais:
Juiz determina isolamento domiciliar de vice-prefeito com suspeita de coronavírus

O Estado de Mato Grosso entrou com uma ação civil originária, com pedido de medida liminar, contra a União e o Banco do Brasil, buscando suspender por 180 dias o pagamento das parcelas do contrato nº 002/STN/COAFI, e respectivos aditivos, e também pedindo que a União e o Banco do Brasil se abstenham de adotar quaisquer medidas de cobrança, constrição patrimonial ou penalidade.

O contrato em questão trata do refinanciamento de uma dívida de R$ 2.116.412.756,99 com a União. O Estado relatou que foram negociadas 600 parcelas mensais, de cerca de R$ 10.923.914,00 cada, sem contar encargos da dívida, sendo que já foram pagas 267 parcelas.

O argumento do Governo foi de que após a declaração da Organização Mundial de Saúde, que classificou como "pandemia" a situação da Covid-19, o Estado adotou medidas de contenção da velocidade de circulação do vírus, com decretos que visam impedir, ou amenizar consideravelmente, um colapso no sistema de saúde.

"Prossegue afirmando que 'a implementação das referidas medidas, contudo, necessita de aporte de vultuosos recursos sendo que o Estado do Mato Grosso não detém condições de arcar sozinho com tais valores, haja vista a imprevisibilidade dos acontecimentos, além do grau de asfixia financeiroorçamentário atual, considerando-se a inevitável queda de arrecadação que as medidas preventivas e reparadoras ocasionarão aos entes federados'", citou o ministro.

O Governo ainda argumentou que sua área técnica prevê uma queda alarmante da arrecadação estadual e um aumento de despesas para 2020, o que colocará Mato Grosso em grande dificuldade financeira, com inviabilidade de honrar todas as despesas que possui, tanto as obrigatórias (folha de pagamento, dívida, precatórios, etc), quanto as despesas com fornecedores.

Por entender que existe um fator externo que impossibilita ao Estado o cumprimento do contrato, e por entender que se trata de excludente de responsabilidade contratual, o Governo pediu a suspensão dos pagamentos.

Ao analisar o pedido o ministro citou que "a Constituição Federal, em diversos dispositivos, prevê princípios informadores e regras de competência no tocante à proteção da saúde pública, destacando, desde logo, no próprio preâmbulo, a necessidade de o Estado Democrático assegurar o bem-estar da sociedade. Logicamente, dentro da ideia de bem-estar, deve ser destacada, como uma das principais finalidades do Estado, a efetividade de políticas públicas destinadas à saúde".

Ele reconheceu a gravidade da emergência causada pela pandemia do coronavírus e que isso exige das autoridades brasileiras, em todos os níveis de governo, a proteção da saúde pública e adoção de todas as medidas possíveis para o apoio e manutenção das atividades do Sistema Único de Saúde (SUS).

"O desafio que a situação atual coloca à sociedade brasileira e às autoridades públicas é da mais elevada gravidade, e não pode ser minimizado. A pandemia do COVID-19 (Coronavírus) é uma ameaça real e iminente, que irá extenuar a capacidade operacional do sistema público de saúde, com consequências desastrosas para a população, caso não sejam adotadas medidas de efeito imediato".

O membro do STF entendeu que a alegação do Governo de Mato Grosso é absolutamente plausível e assim determinou a suspensão, por 180 dias, do pagamento das parcelas referentes ao contrato firmado com a União. Ele também determinou que o Estado comprove que os respectivos valores estão sendo integralmente aplicados na SES para o combate ao coronavírus.

"A medida pleiteada comprova ser patente a necessidade de efetividade de medidas concretas para proteção da saúde pública e da vida dos brasileiros que vivem no Mato Grosso, com a destinação prioritária do orçamento público", argumentou o ministro.

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Jedae
    07 Abr 2020 às 14:36

    Estão gostando do comunismo? Governadores, prefeitos, puxa-sacos, militantes de esquerdas nas mídias, esquerdopatas doadores de canecos, andróginos/artistas, mandando fechar sua loja. Toque de recolher. Proibido de ir em certos lugares. Liberdade limitada. Comida Limitada. Medo provocado pela mídia. Sua empresa não é exatamente sua abre e fecha quando eles querem. Não pode visitar familiares. Se tem opinião contrário poderá ir preso. Se for ao mar irá preso. Soltam criminosos e prendem inocentes. Aproveitem bem a amostra grátis e lutem para que não se torne dura realidade!

  • Barbudo Honesto
    07 Abr 2020 às 10:12

    Que ótimo! Já tem dinheiro pro governador ajudar eleger seus cupinchas pelos municípios.

  • Teka Almeida
    07 Abr 2020 às 08:51

    Não acredito que o dinheiro vá para combater o Covid 19, uma vez que o governo do estado mandou para a ALMT a mensagem 26/2020 que prevê aumento do salário dos presidentes de autarquias e fundações do Estado e eleva o percentual pago aos servidores efetivos que ocupam cargo comissionado. O salário de um presidente, por exemplo, passaria de R$ 9,375 mil mensais para R$ 18,250 mil, valor pago aos secretários de Estado. Vale destacar que os presidentes recebem ainda verba indenizatória no valor de R$ 5,625 mil ao mês, assegurada na lei/SUBMARINO 11.087/2020. O Estado de Mato Grosso está se tornando uma VERGONHA, onde usa-se a pandemia para se dar CALOTE e cobrar dinheiro não RECEBIDO dramatizando a situação que o mundo passa. Mas não se esqueça Mauro MENTE governo FAKE NEWS que quem PASSARÁ será VOCÊ.

Sitevip Internet