Olhar Jurídico

Terça-feira, 02 de março de 2021

Notícias / Financeiro

Ministério da Justiça abre processo contra Telexfree; empresa pode ser multada em R$ 6 milhões

Da Redação - Katiana Pereira

28 Jun 2013 - 11:48

Foto: Assessoria

Ministério da Justiça abre processo contra Telexfree; empresa pode ser multada em R$ 6 milhões
O Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), da Secretaria Nacional do Consumidor do Ministério da Justiça (MJ), instaurou nesta sexta-feira (28), um processo administrativo contra a empresa Telexfree (Ympactus  Comercial LTDA) por indícios de formação de pirâmide financeira.

Caso seja confirmada a violação aos direitos e garantias previstos no Código de Defesa do Consumidor (CDC), a empresa poderá ser multada em mais de R$ 6 milhões de reais.

O DPDC entendeu que a empresa estaria ofendendo os princípios básicos do CDC, como o dever de transparência e boa-fé nas relações de consumo, além de veiculação de publicidade enganosa e abusiva.

Conforme o Olhar Jurídico já informou, o desembargador Samoel Evangelista, do Tribunal de Justiça do Acre (TJAC), negou recurso impetrado pelos controladores da empresa de marketing multinível Telexfree e manteve na íntegra a decisão de primeira instância da juíza Thaís Khalil, titular da 2ª vara cível de Rio Branco, que determinou a suspensão, pagamentos e adesão de novos contratos. A decisão se estende a todo o país e até no exterior e o descumprimento cabe multa diária de R$ 500 mil.

Os fundamentos da decisão concluíram pela forte presença de indícios no sentido de que as atividades da primeira requerida caracterizam-se com "pirâmide financeira", prática vedada pelo ordenamento jurídico, que inclusive a tipifica como conduta criminosa.

Denúncias

A assessoria de imprensa do Ministério da Justiça informou que foram recebidas denúncias de vários órgãos estaduais do Sistema Nacional de Defesa do Consumidor, principalmente do PROCON e Ministério Público do Acre.

O DPDC oficiou diversos órgãos, inclusive a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), Banco Central, Secretaria de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda e Conselho Administrativo de Defesa Econômica.

Decisão da Justiça do Acre interdita Telexfree em todo o país; empresa não pode realizar novos cadastros

"A prática de esquemas de pirâmides, além de crime, acarreta danos irreparáveis aos consumidores. As empresas que incorrerem nessas práticas também serão sancionadas com base no Código de Defesa do Consumidor", alertou Amaury Oliva, diretor do DPDC.

O DPDC, em conjunto com a CVM, divulgou recentemente o Boletim de Proteção ao Consumidor/Investidor sobre investimentos irregulares, com dicas e orientações ao consumidor para evitar golpes frequentes, entre eles o de pirâmide. Veja o boletim do Ministério da Justiça

Telexfree nega fraude

Em entrevista ao site G1 o advogado da empresa, Horst Fuchs, negou qualquer ocorrência de fraude. Ele disse que "a venda de pacotes de telefonia VoIP conta com a indicação de consumidores que são remunerados à exata medida de novos consumidores" e que "a recompensa é resultado da indicação e não da adesão". "O marketing multinível, quando remunera sobre o consumo e não sobre o valor das adesões, não configura, obviamente, uma pirâmide financeira", afirmou.

Fuchs disse entender que "a Telexfree não realiza vendas premiadas, pois todos os que indicam consumidores, e também estes, realizam a compra de contas VoIP, gerando bonificações aos que indicaram".

Comentários no Facebook

Sitevip Internet