Olhar Jurídico

Sábado, 21 de setembro de 2019

Notícias / Consumidor

Groupon é condenado a pagar indenização por não entregar o que foi vendido a cliente

Da Redação - Arthur Santos da Silva

25 Set 2017 - 14:00

Foto: Reprodução

Groupon é condenado a pagar indenização por não entregar o que foi vendido a cliente
A Primeira Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Mato Grosso condenou a empresa de compras coletivas "Groupon" a indenizar uma empresa de festas infantis em R$ 15 mil por danos morais sofridos.
 
Leia mais:

Suposto assassino investigado no facebook por mãe da vítima vai a Júri nesta segunda


De acordo com o processo, uma empresa de festa infantis, que entrou com a ação, celebrou contrato de parceira de produtos e serviços com a empresa de compras coletivas.

No entanto, a empresa teria realizado publicidade distorcida daquilo que se contratou. O contrato de divulgação publicitária dizia que o pacote promocional incluía bolo, doces, salgados, bebidas, hot-dog, picolés, brinquedos (pula-pula e cama elástica), além de monitor e coordenador.
 
Contudo, conforme demonstra o processo, ao fazer a divulgação em seu sítio eletrônico dos anúncios promocionais relativos aos pacotes ofertados, a empresa de compras coletivas teria acrescentado também bolo temático, monitores (quando o contratado era a presença de apenas um monitor) e mais piscina de bolinhas.
 
Da veiculação com publicidade excessiva surgiram reclamações formuladas por consumidores em diversos sítios eletrônicos, bem como no Procon de Cuiabá, fato que maculou a imagem da empresa autora.

“As reclamações contendo comentários desabonadores a respeito da autuação profissional da apelada, sobretudo quanto ao descumprimento do contrato, provocaram real abalo à imagem da apelada perante a sociedade e à clientela, com inegável redução de sua credibilidade, admiração e confiabilidade no mercado, já que teve registrada contra sí reclamações de violação a direitos do consumidor.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet